Como podes viver a tua energia Yang

RUI MOURA | TERAPEUTA E FORMADOR | REIKI | SHIATSU | COACHING | YOGA TIBETANO | CONSULTAS | AULAS PARTICULARES| EMPRESAS | CURSOS | PALESTRAS | RETIROS |LISBOA | CASCAIS | LINDA-A-VELHA | CARCAVELOS | PORTO | MATOSINHOS | STRESS | ANSIEDADE | DEPRESSÃO | INSÓNIA | ALIVIO DA DOR | TRATAMENTO DE LESÕES

“Yin e Yang são os princípios do céu e da terra, os princípios e ordem das 10 mil coisas. O pai e a mãe da mudança e da transformação, a raiz do princípio da vida e da morte”.

Existe um estado uno, um estado primordial em que a energia não é dual, não está dividida. Quando este estado começa a manifestar-se, aparece o movimento, o Qi começa a mexer-se. Quando o Qi começa a mexer-se, aparece Movimento, aparece Transformação, aparece o yang. Este estado do Universo antes do movimento simboliza-se sempre como um círculo vazio. Neste estado não existem extremos, não existem polos, não há yin e yang. Chama-se Sem extremos Wu Qi. Então podemos dizer que Yin-Yang é o um que ao dividir-se converte-se em dois.

Entre Yin-Yang há relações de antagonismo e de unidade e o antagonismo e a unidade de yin-yang resumem as leis do universo. O antagonismo e a união são o fenómeno mais geral do universo. Mas, o que é o principal e o que é o secundário? Isto define-se observando a situação concreta, ou seja, para a condição o principal e o secundário podem variar.

O yang tem de estar enraizado em yin, ou seja, o masculino tem estar ancorado no feminino, a força emparelhada com a suavidade. A força, o movimento, o poder, a manifestação, ação, o masculino em todo o seu potencial, são tudo atributos de yang. Estes atributos estão sempre em oposição complementar e interdependência com yin.

Não podemos falar de yang sem falar em yin. Mas podemos salientar o que é yang e de que forma é que ele se manifesta na nossa vida. Como podemos viver a energia yang, como podemos viver, reconhecer e manifestar o masculino que habita em nós, homens e mulheres

Se pensarmos por exemplo em marciais, estas são por definição a exaltação do yang, do poder, da força e do movimento em que o yin se encontra mais escondido, menos evidente, mas sempre presente. Procuramos aqui a mestria e o domínio de yang. E quando conseguimos enraizar yang com yin, poder com suavidade, o masculino com o feminino. Conseguimos conciliar amor e liberdade, que vejo como yin e yang supremos.

Penso agora no meu filho que praticou judo e agora ballet. E pensar nestas duas modalidades em termos de yin e yang é interessante. A energia masculina está presente em ambos mas expressa-se de forma diferente mais evidente no judo e mais subtil no ballet.

Em todas as áreas da nossa vida, só avançamos com a energia masculina, decidir, co-criar, manifestar é sempre feito com recurso a yang. É yang que desbloqueia e abre caminhos, que põe em movimento.

Sempre que precisamos de ter mais nitidez na vida. Só temos uma forma, é decidir. E a partir daí surge a ação. O fazer, o por em prática, pode ser tão forte e intenso como o “judo” ou tão gracioso e harmonioso como o ballet. Sempre ancorado na dose correta de yin de energia feminina.

Isto é válido para homens e mulheres, percebendo que yin e yang é parte da nossa natureza e que ambos têm de ser trabalhados de igual forma. Neste caso, reconhecer o seu yang, a sua força, o seu poder, seja de que natureza for, é abrir-se e entregar-se à manifestação do seu conceito como o pensou e sentiu. A negação da energia masculina, resulta em estagnação e bloqueio, gera um estado de degeneração daquilo que é, porque a natureza da energia é movimento e se yang não guia yin, se o masculino não guia o feminino, o feminino desagrega-se e o ser sofre.

A minha pergunta é: Qual é o seu conceito? Como é que o vai manifestar? O que é que vai fazer? Quando? A quem é que pode pedir ajuda? O que é que pode fazer já hoje? E amanhã? E com quem?

A energia que alimenta tudo isto é yang. Sinta o seu yang e faça, concretize e realize!

Artigo de Rui Moura